A Importância das habilidades Sociais

Habilidade Social - Uma questão de Qualidade de Vida.

Neste artigo analisa-se a importância da aquisição de habilidades sociais enquanto propulsora de qualidade de vida e de uma boa saúde mental.

O termo é conceituado, segundo visões de vários autores e são estabelecidas relações entre a aquisição de comportamento socialmente habilidoso e o êxito do indivíduo na sociedade na qual se insere. São feitas, também, breves referências aos contextos responsáveis pela promoção destas aprendizagens e a importância das mesmas quanto ao tema em questão
A participação com sucesso em interações sociais é a principal habilidade da nossa espécie. O ser humano desenvolve grande parte do seu comportamento dentro do ambiente social e, por isso mesmo, para
obter êxito, deverá ter um repertório compatível com as exigências do mesmo.
Entende-se por habilidades sociais, o conjunto de comportamento aprendidos verbais e não verbais, que requerem iniciativa e respostas, e que afetam a relação interpessoal ( Maher e Zins, 1987).
As habilidades sociais são aqueles comportamentos considerados como desejáveis que capacitam a pessoa a interagir com o outro de modo que as necessidades sejam satisfeitas e satisfaçam as expectativas dos demais. Estes comportamentos incluem não só a verbalização como também a expressão facial, a postura, o contato visual, gestos, aparência física e outras mais
O comportamento do indivíduo deve permitir sua inclusão ao meio, e seu desenvolvimento como adulto confiante e seguro com maiores probabilidades de uma boa saúde mental.
Thomas e Grimes-(1992) vêem a participação bem sucedida em interações sociais como a principal habilidade da nossa espécie, enfatizando que se comportar adequadamente em situações sociais define nossa competência como indivíduos e estabelece a história social necessária para futuras interações.
O individuo socialmente competente é visto como auto reforçador e, portanto, com uma boa auto-estima e com um bom senso de auto-eficácia, o que facilita o seu convívio com as dificuldades e o seu enfrentamento com eventos estressantes. Assim, as habilidades sociais podem ser consideradas como imprescindíveis para o desenvolvimento sócio-emocional e o ajustamento do indivíduo.
Para Caballo (1996), o comportamento socialmente habilidoso é o conjunto de comportamentos emitidos por um indivíduo em uma situação interpessoal que expressa seus sentimentos, atitudes, desejos, opiniões ou seus direitos, de um modo adequado ao contexto em que estiver inserido, respeitando o direito do outro e resolvendo e minimizando problemas ou a probabilidade futura dos mesmos.
O autor consegue resumir os pontos importantes quando se pensa em habilidades sociais. Não existem dúvidas de que ter uma série de habilidades para garantir opiniões e direitos de modo que esta se ajustem às normas da sociedade e suponham o respeito a si próprio e aos direitos dos demais, asseguram a aceitação do indivíduo pela sociedade de que faz parte e um bom desenvolvimento emocional.
Exemplos de comportamentos socialmente desejáveis são compartilhar, o cooperar, iniciar relacionamentos, conseguir ajuda de outros, cumprimentar e dizer "por favor" e obrigado, entre outros. Mesmo pensando na importância do contexto cultural do indivíduo, para saber que habilidades ou comportamentos são considerados adequados, os exemplos acima são tidos como socialmente desejáveis para a maioria das pessoas.
Os principais contextos para o desenvolvimento destas habilidades são a família, a escola e o grupo de amigos.
A família é o primeiro grupo social de que o indivíduo faz parte, oferece modelos de comportamento e modela a conduta social através de práticas disciplinares. Os pais costumam funcionar como modelos, devendo estar sensíveis aos sinais emitidos pela criança, dando-lhes condições de obter êxitos em relação a seus comportamentos adaptativos. Além disso, devem ser organizadores de um sistema de regras que permitirão a adequação da criança ao mundo. Os irmãos têm papeis que possibilitam à criança a vivência de comportamentos diferenciados. Os irmãos são a ponte entre a família e o mundo.
A escola oportuniza o contato social da criança com outros adultos significativos e com o seu igual, estimulando o exercício de novos papéis e habilidades e impondo novos desafios interpessoais. A escola pode estimular a autonomia, a capacidade crítica, a cooperação e outras habilidades que compõem a vida em grupo.
Com relação aos amigos, estes compõem o espaço social necessários à emissão de uma série de comportamentos que em outros contextos poderiam ser impróprios, possibilitando, ainda, o autoconhecimento e o treino de novas habilidades e daquela já aprendidas.
Existem outras fontes de aprendizagem destas habilidades, como por exemplo, a mídia e, mais especificamente a televisão que, sem dúvida, tem um papel como formadora de atitudes, infelizmente, nem sempre, as melhores.
O que realmente está comprovado é que para se viver com qualidade é preciso saber desempenhar com esmero diversos papéis, muitos deles essencialmente sociais, que podem se ensinados, treinados e perfeitamente executados, proporcionado a harmonização da pessoa consigo própria e com o mundo que a rodeia.


Eliana de Lucca
Doutora em Psicologia - PUC Campinas
Coordenadora e Prfª do Curso de Psicologia da Faculdade Politécnica Jundiaí
lilukka@hotmail.com


Referências Bibliográficas
Caballo,V.C.Manual de técnicas de terapia e modificações do comportamento. Ed. Santos, São Paulo,1996.
Thomas,A.e Grimes, J.Best Practices in School Psychology. University Press of New England, London,1992.