Bacharel em Teologia

O PROFISSIONAL TEÓLOGO

A profissão de Teólogo pertence a família de profissões 2631 que é composta também de Ministros de Culto, missionários e profissionais assemelhados. 
O código específico na CBO para a profissão é o T2631-15

Os profissionais podem desenvolver suas atividades de forma profissional ou voluntária, em templos, igrejas, sinagogas, mosteiros, casas de santo e terreiros, aldeias indígenas, casas de culto, etc. Também estão presentes em universidades e escolas, centros de pesquisa, sociedades beneficentes e associações religiosas, organizações não governamentais, instituições públicas e privadas.

Espera-se que os teólogos tenham formação superior em Teologia; não é incomum entre os teólogos, a presença de títulos de pós graduação ou cursos equivalentes. 
Qualquer que seja a tradição religiosa, contudo, tanto ou mais que formação, contam a fé e o chamamento individual para o serviço do divino.

ATIVIDADES REALIZADAS PELO TEÓLOGO

1 -  LIDERANÇA

Dirigir e administrar comunidades, orientar religiosamente a comunidade, organizar a catequese, organizar as pastorais, participar de assembléias, conselhos, sínodos, concílios, orientar espiritualmente a comunidade, participar de confederações, federações, conselhos dos mais velhos, elaborar estatutos e regimentos internos, requerer registros de funcionamento junto aos órgãos competentes, responder juridicamente pela entidade, buscar recursos (dízimos, ofertas, empréstimos, etc.) para financiamento das atividades.

2 - TREINAMENTO

Proferir palestras, publicar artigos em revistas, jornais, livros e afins, orientar a formação religiosa, avaliar os formandos no seu processo de aprendizagem, dar aulas, divulgar a tradição, adequar leis religiosas ao ambiente sócio-cultural, promover retiros espirituais, dirigir centros de formação religiosa, dirigir estabelecimentos de ensino. atuar como missionário dentro ou fora do país, ensinar idioma original da tradição religiosa, fazer ou formar discípulos, elaborar material de ensino e difusão audiovisual, digital,etc.

3 -  MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

4 - AÇÃO SOCIAL
Apoiar movimentos populares, realizar ações contra discriminação e exclusão, manter com recursos próprios publicações impressas, audiovisual, etc.

5 - PESQUISA
Realizar estudos especializados sobre a doutrina religiosa, consultar bibliotecas, videotecas, etc., pesquisar na tradição e nos textos sagrados, buscar significado da tradição e textos sagrados para o contexto atual, sistematizar informações relativas aos textos sagrados, sistematizar informações das tradições orais e escritas, participar de diálogos inter-religiosos, participar de diálogos inter e trans disciplinares, exercer espírito crítico sobre a tradução de textos sagrados, traduzir textos religiosos a partir dos originais, participar de congressos, seminários especializados, atuar em centros de pesquisa, fazer análise e interpretação da tradição e textos religiosos, assessorar a comunidade religiosa e seus líderes, prestar assessoria sobre questões éticas e religiosas, divulgar resultados de pesquisa, atuar em universidades (docência e pesquisa), traduzir literatura especializada, traduzir e textualizar as tradições orais.

6 - MISSÕES
Atuar dentro ou fora dos templos (zona urbana ou rural), zelar pelo ensino ortodoxo e sistemático da tradição, transmitir ensinamentos religiosos utilizando os meios adequados e específicos de cada tradição, proclamar os princípios bíblicos, ensinar o alcorão, ensinar o respeito a vida, à ecologia, à cosmologia, promover a paz e a justiça.

7 - PRATICAR VIDA CONTEMPLATIVA E MEDITATIVA

8 - PRESERVAR A TRADIÇÃO
Registrar a memória religiosa, adequar o 'ethos' religioso às condições locais.

9 - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

Estudar a doutrina religiosa, participar de atividades inter-religiosas, estar aberto ao diálogo inter religioso, receber a revelação, receber palavras de inspiração, viver coerentemente com os ensinamentos, fortalece a fé através de atos, devoções e orações, respeitar as tradições religiosas e seus preceitos morais, professar a fé, buscar equilibrio de vida, cultivar o amor, a justiça, a paz, a sabedoria e a compaixão, estudar os valores humanos e princípios religiosos, manter-se atualizado nas questões sociais polêmicas.

10 - RECURSOS DE TRABALHO
Bíblia, livros e literaturas de cunho religioso, material didático para instrução.

PROJETO DE LEI DO SENADO N°, 2005
Dispõe sobre o exercício da profissão de Teólogo e dá outras providências

Art. 1° - O exercício da profissão de Teólogo, observadas as condições de habilitação e as demais exigências legais é assegurado.

I - aos diplomados em teologia por estabelecimento de ensino superior, oficial ou reconhecido pelo poder público;

II - aos diplomados em curso superior similar, no exterior, após a revalidação do diploma, nos termos da legislação em vigor;

III - aos que, em data da publicação desta Lei, embora não diplomados nos termos dos incisos anteriores, venham exercendo efetivamente, há mais de cinco anos, a atividade de Teólogo, na forma e condições que dispuser o regulamento da presente Lei.

Art. 2° - Compete ao Teólogo:

I - Ministrar o ensino da Teologia, desde que cumpridas as exigências legais;


II - Elaborar, supervisionar, orientar, coordenar, planejar, programar, implantar, controlar, dirigir, analisar estudos, trabalhos, pesquisas, planos, programas e projetos atinente à realidade científica da religião;

III - Assessorar e prestar consultoria a pessoas físicas e jurídicas, públicas ou privadas, relativo á realidade científica da religião;

IV - Participar dos trabalhos de elaboração, supervisão, orientação, coordenação, planejamento, programação, implantação, direção, controle, execução, análise ou avaliação de estudo, trabalho, pesquisa, plano, programa ou projeto global, regional ou setorial atinente á realidade científica da religião.

Art. 3° - É permitida a formação de empresas ou entidades de prestação de serviços previstos nesta Lei, desde que mantenham o Teólogo como responsável técnico e não atribuam a pessoas não habilitadas o desempenho das atividades que lhe sejam privativas.

Art. 4° - O exercício da profissão de Teólogo requer registro prévio no órgão competente.

§ 1° - O Poder Executivo adotará as providências necessárias para a criação do Conselho Nacional de Teologia e suas Seccionais.


§ 2° - O registro de que trata o caput deste artigo se fará mediante a apresentação de documento comprobatório de conclusão dos cursos previstos nos incisos I, II, III, do art 1°, ou a comprovação de exercício da profissão, na forma do inciso IV do mesmo artigo.

Art. 5° - O livre exercício dos cultos religiosos não é condicionado à participação, de qualquer forma, do Teólogo.

Art. 6° - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICAÇÃO

Na Europa, a Teologia, como ciência, floresceu a partir do século XI. Naquele tempo, de fato, a Teologia já tinha incorporado um milênio de história. O desenvolvimento de uma Teologia científica, dotada de uma própria e relativa autonomia, foi impulsionado pelo nascimento das universidades como corporações jurídicas autônomas, e pela integração da Teologia à universidade. Não menos importante é a distinção entre a Filosofia e Teologia como áreas de estudos com objetivos diferentes. Entre os séculos XI e XII, a Teologia aparece como ciência autônoma.
Atualmente, a Teologia não se ocupa com as questões internas de uma determinada igreja. Embora o seu estudo seja exigido, tanto pelas igrejas evangélicas, quanto pelas igrejas católicas, para formação de seus pastores e padres, a Teologia não mais representa o único critério para as questões sobre como e em que lugar ela deva ser exercida. Seu estudo, combinado com o de outras disciplinas, confer-lhe uma competência interdisciplinar que fornece ao Teólogo um campo de atuação bastante amplo em todas as atividades em que o ser humano está presente.
Ao estudar o fenômeno religioso, algo tão profundo e arraigado em todos nós, o Teólogo procura, até onde é possível e de maneira objetiva e científica, explicar o fenômeno fé.
No Brasil, os cursos de Teologia existem há séculos mas, infelizmente, sempre foram vistos apenas como formadores de recursos humanos para as organizações religiosas, de especialização de eclesiásticos.
O reconhecimento da teologia, em 1999, pelo Ministério da Educação, como uma área específica do conhecimento humano, recupera para o país um atraso de séculos em relação à Europa, que há muito, dispõe de dezenas de faculdades especializadas na formação de Teólogos.
Apesar de vivermos num mundo secularizado e consumista, nunca se viu tanto interesse pela religião e sua aplicação em todos os setores em que atua o homem. Em consequência, a regulamentação do exercício dessa profissão se faz imperiosa, a fim de afastar do meio profissional aventureiros que podem causar sérios danos à transmissão científica de conhecimentos nessa importante área das ciências humanas.

REFERÊNCIAS

Teólogo: Classificação Brasileira de Ocupações.
Disponível em http://www.mtecbo.gov.br/busca/descrição.asp?codigo=2631-15